Tecnologías y alfabetizaciones digitales:

una experiencia con Zotero

  • Beatriz Oliveira de Almeida beatrizoli Universidade Federal da Bahia
  • Lynn Rosalina Gama Alves Lynn Alves Universidade Federal da Bahia http://orcid.org/0000-0003-3688-3506
  • André Luis Mattedi Dias Andr´e Mattedi
Palabras clave: Alfabetización digital, Gestores bibliográficos, Zotero, Licenciatura interdisciplinar

Resumen

Nuevas modalidades de lectura y escritura son cada vez más solicitadas para la producción de conocimiento en el contexto contemporáneo. Así, este artículo tiene como objetivo analizar las formas de interacción entre los estudiantes de las Licenciaturas Interdisciplinarias de la Universidad Federal de Bahía con Zotero, lo que contribuye a la alfabetización digital de estos estudiantes. Por lo tanto, se realizó una investigación cualitativa mediante un cuestionario y observación participante para la producción de datos. Los resultados de la investigación señalan la dificultad de los estudiantes para alfabetizarse en entornos digitales, especialmente en aquellos que requieren conocimientos previos de normalización que gestionan trabajos académicos como Zotero.

Biografía del autor/a

Lynn Rosalina Gama Alves Lynn Alves, Universidade Federal da Bahia

Bolsista de Produtividade, Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora do CNPq - Nível 2, possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Educação da Bahia (1985), Mestrado (1998) e Doutorado (2004) em Educação, pela Universidade Federal da Bahia. Pós-doutorado na área de jogos eletrônicos e aprendizagem pela Università degli Studi di Torino, na Itália. Atualmente é professora e pesquisadora do Instituto de Humanidades, Artes e Ciência - IHAC - UFBA. Tem experiência na área de Educação e Jogos Digitais, realizando investigações sobre universo digital e suas interfaces, especialmente sobre os seguintes temas: jogos eletrônicos, interatividade, mobilidade e educação. Tem investigado também as narrativas seriadas televisivas. Coordena os projetos de pesquisa e desenvolvimento em jogos digitais como: Tríade (FINEP/FAPESB/UNEB), Búzios: Ecos da Liberdade (FAPESB), Guardiões da Floresta (CNPq, FAPESB, Proforte), Brasil 2014: Rumo ao Hexa (SEC-Ba), Insitu (SEC-Ba), Industriali (SEC-Ba), Game Studies (FAPESB), DOM (SEC-Ba), Janus (SEC-Ba) e Gamebook (CAPES/FAPESB). Organiza e coordena há onze anos o Seminário de Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação - construindo novas trilhas. As produções do grupo de pesquisa encontram-se disponíveis na URL: www.comunidadesvirtuais.pro.br

Citas

Alves, L. (2016). Práticas inventivas na interação com as tecnologias digitais e telemáticas: O caso do Gamebook Guardiões da Floresta. Revista de Educação Pública, 25(59/2), 574–593. https://doi.org/10.29286/rep.v25i59/2.3835

Azevedo, D. S. de, Silveira, A. C. da, Lopes, C. O., Amaral, L. de O., Goulart, I. do C. V., & Martins, R. X. (2018). Letramento digital: Uma reflexão sobre o mito dos “Nativos Digitais”. RENOTE, 16(2). https://doi.org/10.22456/1679-1916.89222

Bonilla, M. H., & Pretto, N. D. L. (2015). Política educativa e cultura digital: Entre práticas escolares e práticas sociais. Perspectiva, 33(2), 499–521. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2015v33n2p499

Buzato, M. E. K. (2007). Desafios empíricos-metodológicos para a pesquisa em letramentos digitais. Trabalhos em Lingüística Aplicada, 46(1), 45-62.

Buzato, M. E. K. (2009). Letramentos Digitais, Apropriação Tecnológica e Inovação. III Encontro Nacional sobre Hipertexto, Belo Horizonte, MG.

Canto, M. (2019). O letramento midiático em escolas: Lutando conta a desinformação. In: Pesquisa Sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras: TIC EDUCAÇÃO 2018. Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Castells, M. (2009). A sociedade em rede (v. 1, 10ª ed.). Paz e Terra.

CGI.BR. (2019). Pesquisa Sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos domicílios brasileiros: TIC DOMICÍLIOS 2018. Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Chan, B. S. K., Churchill, D., & Chiu, T. K. F. (2017). Digital Literacy Learning In Higher Education Through Digital Storytelling Approach. Journal of International Education Research (JIER), 13(1), 1–16. https://doi.org/10.19030/jier.v13i1.9907

Coscarelli, C. V., & Coiro, J. (2014). Reading multiple sources online. Revista Linguagem & Ensino, 17(3), 751-776.

Dias, M. C., & Novais, A. E. (2009). Por uma matriz de letramento digital. III Encontro Nacional Sobre Hipertexto. Belo Horizonte, MG.

Dudeney, G., Hockly, & N., Pegrum, M. (2016). Letramentos digitais (pp. 16-60). Parábola Editora.

Gachago, D., Ivala, E., Barnes, V., Gill, P. G. P., Felix-Minnaar, J., Morkel, J., & Vajat, N. (2014). Towards the development of digital storytelling practices for use in resource-poor environments, across disciplines and with students from diverse backgrounds. South African Journal of Higher Education, 28(3). https://doi.org/10.20853/28-3-373

Gómez, Á. I. P. (2015). Educação na era digital: a escola educativa, Penso Editora.

Gourlay, L. (2015). Posthuman texts: nonhuman actors, mediators and the digital university. Social Semiotics, 25(4), 484-500. https://doi.org/10.1080/10350330.2015.1059578

Lévy, P. (2010). Cibercultura. Editora 34.

Lima, M. C. A. de. (2008). Experienciando o letramento digital: Sistematização de uma pesquisa-ação online. Revista do GEL, 5(2), 213–224.

Mishra, K. E., Wilder, K., & Mishra, A. K. (2017). Digital literacy in the marketing curriculum: Are female college students prepared for digital jobs? Industry and Higher Education, 31(3), 204–211. https://doi.org/10.1177/0950422217697838

Pampel, H., & Dallmeier-Tiessen, S. (2014). Open Research Data: From Vision to Practice. En S. Bartling, & S. Friesike, (Org.), Opening Science (pp.213-224). Springer International Publishing.

Pawlowski, C. S., Andersen, H. B., Troelsen, J., & Schipperijn, J. (2016). Children's physical activity behavior during school recess: A pilot study using GPS, accelerometer, participant observation, and go-along interview. Plos One. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0148786

Pretto, N. (2017). Educações, Culturas e Hackers: escritos e reflexões. EDUFBA.

Pretto, N. (2013). Uma escola sem/com futuro: Educação e multimídia (8 eds.). EDUFBA.

Riccio, N. C. R., Santana, C. M. B. de, & Assis Neto, E. R. de. (2016). Panorama da educação a distância e da utilização do ambiente virtual Moodle na UFBA.

Roche, T. B. (2017). Assessing the role of digital literacy in English for academic purposes university pathway programs. Journal of Academic Language and Learning, 11(1), A71-A87.

Rosa, F. R. (2013). Por um indicador de letramento digital: uma abordagem sobre competências e habilidades em TICs. VI Congresso Consad de Gestão Pública.

Rosa, F. R., & Dias, M. C. N. (2012). Por um indicador de letramento digital: Uma abordagem sobre competências e habilidades em TICs [Dissertação de mestrado]. Fundação Getúlio Vargas Escola de Administração de Empresas de São Paulo.

Sales, S. R., & Leal, R. E. G. (2018). Práticas pedagógicas inovadoras na formação docente: Ciborguização do currículo do curso de pedagogia. Revista Internacional de Educação Superior, 4(1), 7–24. https://doi.org/10.22348/riesup.v4i1.8650710

Santos, R., Azevedo, J., & Pedro, L. (2016). Literacia(s) digital(ais): definições, perspectivas e desafios. Media & Jornalismo, [S.l.], 15(27), 17-44. http://dx.doI.org/10.14195/2183-5462_27_1

Silva, O. F. (2017) (Multi)letramentos e formação de professores na sociedade digital: entretecendo (des)afios. In: L. Alves, L. & J. A. Moreira. Tecnologias e Aprendizagens: delineando novos espaços de interação. EDUFBA.

Soares, M. (2009). Letramento: um tema em três gêneros (3a ed.). Autêntica Editora.

Souza, T. F. M. de. (2016). Ondas em Ressonância: Letramentos Digitais de Estudantes na Universidade Aberta de Portugal (364 f.) [Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)]. http://twixar.me/0Gx1.

Suguimoto, H. H., Rolim, A. T., Mazzafera, B. L., & Moura, F. A. A. F. de. (2017). Avaliação do letramento digital de alunos ingressantes do ensino superior: Uma abordagem exploratória do conhecimento computacional, comunicacional e informacional. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 98(250). https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.98i250.3011

UFBA, PROGRAD. (2008). Projeto Pedagógico dos Bacharelados Interdisciplinares. Universidade Federal da Bahia.

UFBA, IHAC. (2010a). Projeto Pedagógico do Bacharelado Interdisciplinar em Artes. Universidade Federal da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências.

UFBA, IHAC. (2010b). Projeto Pedagógico do Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia. Universidade Federal da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências.

UFBA, IHAC. (2010c). Projeto Pedagógico do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde. Universidade Federal da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências.

UFBA, IHAC. (2010d). Projeto Pedagógico do Bacharelado Interdisciplinar em Humanidades. Universidade Federal da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências.

Warschauer, M. (2006). Tecnologia e inclusão social: a exclusão digital em debate. Editora Senac São Paulo.

Xavier, A. C. (2005). Letramento digital e ensino. Alfabetização e letramento: conceitos e relações (v.1 pp. 133-148). Autêntica.

Xavier, A. C. (2011). Letramento digital: impactos das tecnologias na aprendizagem da Geração Y. Calidoscópio, 9(1), 3–14. https://doi.org/10.4013/cld.2011.91.01

Yamakawa, E. K., Kubota, F. I., Beuren, F. H., Scalvenzi, L., & Miguel, P. A. C. (2014). Comparativo dos softwares de gerenciamento de referências bibliográficas: Mendeley, EndNote e Zotero. Transinformação, 26(2), 167–176. https://doi.org/10.1590/0103-37862014000200006

Publicado
2021-09-28
Cómo citar
beatrizoliB., Lynn AlvesL., & Andr´e MattediA. (2021). Tecnologías y alfabetizaciones digitales:. Obra Digital, (21), 17-32. https://doi.org/10.25029/od.2021.255.21