Comunidades de práctica basado en web: estudio de caso en el programa profuncionario

  • Jocelma Almeida Rios Instituto Federal da Bahia
  • Leonardo Rangel dos Reis Instituto Federal da Bahia.
  • Claudio Reynaldo Barbosa de Souza

Resumen

El estudio de caso que se presenta tiene como objetivo delinear la cartografía de las redes de interacción entre los diferentes actores que componen el Programa Profuncionário, desarrollado por el Instituto Federal de Bahía (IFBA), entre los años 2013 y 2015, para identificar los principales fenómenos, sus características y las características constitutivas de las Comunidades de Práctica (CdP). En la investigación, se identificaron diversas formas de participación en la CdP, sin embargo, se puede decir que la comunicación estaba ocurriendo con mayor énfasis en la recepción de información. Además, se encontró que la CP aparece como potencial en la educación a distancia, ya que permite una mayor integración y motivación de los actores involucrados en el proceso.

Palabras clave:

Comunidad de Práctica, Educación a Distancia, Proceso de Colaboración, Programa Profuncionário, Proceso Colaborativo, Trabajo Colaborativo.

Biografía del autor/a

Jocelma Almeida Rios, Instituto Federal da Bahia

Professora de computação, nas áreas de engenharia de software e computação aplicada, e de educação, nas áreas de gestão da educação e tecnologia educacional.

Pesquisadora nas áreas de computação aplicada, análise cognitiva, comunidades de prática, gestão da educação, tecnologia educacional.

Coordenadora de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação, do Instituto Federal da Bahia - Campus Lauro de Freitas

 

Leonardo Rangel dos Reis, Instituto Federal da Bahia.

Professor de sociologia, nas áreas de sociologia da educação e antropologia da ciência. Professor associado do Mestrado Profissional em Educação – FACED/UFBA. Coordenador Adjunto da Rede e-Tec IFBA. Membro pesquisador dos grupos de pesquisa Formace em aberto – FACED/UFBA, e Devir – IFBA. 

Claudio Reynaldo Barbosa de Souza

Professor Titular de Automação e Equipamentos Industriais. Pesquisador na área de tecnologias aplicadas à saúde. Coordenador Geral da Editora do IFBA. Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação Profissional e Tecnológica e do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produtos e Sistemas do IFBA. Membro pesquisador dos grupos de pesquisa Núcleo de Tecnologia em Saúde – NTS e Gepio.

Citas

Bastos, A. V., Brandao, M., Pinho, A. P. (1997). Comprometimento organizacional: uma análise do conceito expresso por servidores universitários no cotidiano de trabalho. Revista de Administração Contemporânea, 1(2).

Barcellini, F. et al. (2008). A socio-cognitive analysis of online design discussions in an Open Source Software community. Interacting with computers, 20(1), pp. 141-165.

Bergamini, C. (2008). Motivação nas organizações (5a. ed.). São Paulo: Ed. Atlas.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. (2012). Orientações Gerais: Profuncionário (caderno introdutório) (4a. ed.). Cuiabá: Universidade Federal de Mato Grosso/Rede e-Tec Brasil.

Camarinha-Matos, L. (2009). Collaborative networked organizations: status and trends in manufacturing. Annual Reviews in Control, 33(2), pp. 199-208.

Camarinha-Matos, L. et al. (2009). Collaborative networked organizations: concepts and practice in manufacturing enterprises. Computers & Industrial Engineering, 57(1), pp. 46-60.

Camarinha-Matos, L.; Afsarmanesh, H. (2005). Collaborative networks: a new scientific discipline. Journal of Intelligent Manufacturing, 16(4-5), pp. 439–452.

Camarinha-Matos, L., Pantoja-Lima, C. (2001). C. Cooperation coordination in virtual enterprises. Journal of Intelligent Manufacturing, 12(2), pp. 133-150.

Castells, M. (2007). A sociedade em rede. v. 1. (10a. ed.). São Paulo: Paz e Terra. (A era da informação: economia, sociedade e cultura)

Castoriadis, C. (2000). A instituição imaginária da sociedade (5a. ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Ducheneaut, N. (2005). Socialization in an Open Source software community: a socio-technical analysis. Computer Supported Cooperative Work, 14(4), pp. 323-368.

Eraut, M. (2000). Non-formal learning and tacit knowledge in professional work. British Journal of Educational Psychology, 70(1), pp. 113–136.

Fuks, H. et al. (2011). Teorias e modelos de colaboração. In: Fuks, H.; Pimentel, M. (Orgs.). Sistemas colaborativos (pp. 16-32). Rio de Janeiro: Elsevier.

Houaiss, A.; Villar, M. de S. (2009). Dicionário Houaiis da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Objetiva.

Instituto Federal da Bahia (2012). Projeto de implantação do Programa Profuncionário. Salvador.

Kemczinski, A. et al. (2007). Colaboração e cooperação: pertinência, concorrência ou complementaridade. Revista Científica Eletrônica de Engenharia de Produção, 7(3).

Latour, B. (1987). Science in action: how to follow scientists and engineers through society. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Lave, J.; Wenger, E. (1991). Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press.

Lazzarato, M. (2006). As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Olivier, B. (2009). Autonomía. In: Barus-Michel, J.; Enriquez, E.; Lévy, A. (Orgs.). Psicosociologia: nociones y autores fundamentals (p. 63-78). Santiago: Ediciones UCSH.

Ontoria, A., Luque, Â., Gomez, J. P. (2006). Aprender com mapas mentais: uma estratégia para pensar e estudar (2a. ed.). São Paulo: Madras.

Rangel, L. (2016). O sabor dos saberes: margens e experiências limiares na cultura e na educação. Rio de Janeiro: Editora Multifoco.

Rios, J. (2013). Análise sociocognitiva de uma comunidade de prática baseada na web: entre o discurso, o enunciado e a prática. (Tese de doutorado). Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Sennett, R. (2012). Juntos: os rituais, os prazeres e a política da cooperação. Rio de Janeiro: Record.

Senge, P. (1990). A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende (16a. ed.). São Paulo: Best Seller.

Tajra, S. F. (2002). Comunidades virtuais: um fenômeno na sociedade do conhecimento. São Paulo: Érica.

Terra, C. (2004?). Comunidades de prática: conceitos, resultados e métodos de gestão. 2004? Disponível em: http://biblioteca.terraforum.com.br/BibliotecaArtigo/libdoc00000098v002Comunidades%20de%20Pratica-conceitos,%20resultad.pdf. Acesso em: 16 fev. 2016.

Wenger, E. C. (1998). Communities of practice: learning, meaning, and identity. New York: Cambridge University Press.

Wenger, E. C., McDermott, R.; Snyder, W. (2002). Cultivating communities of practice. Boston: Harvard Business School Press.

Winner, L. (1997). Cyberlibertarian myths and the prospects for community. Disponível em: http://www.rpi.edu/~winner/cyberlib2.html. Acesso em: 30 out. 2016.

Publicado
2018-01-21